comentário:
Face à ausência de programação e sugestões de MS. Brown, que apesar de justificada, os viajantes não compreendem !… uma coisa é correcta, as comemorações dos 100 anos da República Portuguesa marcam mesmo a Programação dominante nestes dias.
Por isso, e para se actualizar, o viajante recorreu ao suplemento ATUAL para então descobrir o que se ia passa por aí…
A propósito da dita República, deparou-se desde logo com uma referência tão engraçada e oportuna feita por José Manuel dos Santos, na sua crónica, que não pode deixar de partilhar…
…”Aquele que o escreveu disse que a sua obra tinha dois autores: ele e o seu fantasma. É por isso que, nestas páginas, existe um dupla visão em que tudo se vê: por cada vida há uma morte, por cada realidade uma irrealidade, por cada heroísmo uma cobardia, por cada rosto uma máscara, por cada verão um inverno. E para cada rapidez uma lentidão, para cada serenidade um tumulto, para cada vitória uma derrota, para cada ordem uma desordem, para cada céu um inferno. Aqui as palavras correm, avançam, param, recuam, desaparecem, reaparecem… (em “Memórias” de Raul Brandão, num livro que se faz e desfaz…). Refere-se ao tempo, aos 100 anos… assim foi no fim da Monarquia, no princípio da República…
E assim será sempre, enquanto houver, pessoas, vontades, dilemas… mas também ambições e vontades de evoluir…
O Republicano a 4 de Outubro de 2010 às 11:57