O Blog da Escorregadela intelectual (versão 2.0)

27
Abr 09

A 27 de Abril de 1974, Francisco Pinto Balsemão começa a preparar mais uma edição do EXPRESSO. No momento de escrever o editorial apercebe-se que o texto que se prepara para escrever não será sujeito à censura, que pode escrever o que quiser e... responsabilizar-se por isso. Que sensações indescritíveis devem ter sido aquelas vividas nesses dias pelos jornalistas que viveram durante dezenas de anos a esquivarem-se à comissão de censura e ao odioso lápis azul.

A Visão da semana passada relembrou-nos de forma brilhante as imposições, primeiro de Salazar e depois de Marcelo Caetano, contra a liberdade de expressão, do pensamento e do direito de informar e de ser informado. Presenteou os leitores com uma "edição censurada" cheia de páginas riscadas e de carimbos. Em pelo menos metade da revista encontramos "Visado pela censura", "Autorizado com corte", "cortado", "suspenso", "autorizado parcialmente", "proibido", "demorado". Acabou há 34 anos atrás. Mudou o burgo para sempre.

Mr. White às 18:19

comentário:
Já estava a estranhar não haver um post alusivo ao 25 de Abril (SEMPRE!). Para mim o 25 de Abril tem um significado especial. Nasci em 1976, mas se 2 anos antes, se não se desse a Revolução dos Cravos, eu, provavelmente não existiria, pois o meu pai, soube-o depois, estava na "lista de espera" da PIDE para ser preso no dia 1 de Maio de 1974. O meu pai escreveu em vários jornais usando pseudónimos, tinha um processo grande na PIDE, distribuiu panfletos na clandestinidade, lutou pela liberdade! Por isso, sou-lhe grata. Por isso agradeço a todos os combatentes pela liberdade. Por isso vivo sempre com emoção o 25 de Abril. Por isso sou defensora dos ideiais de Abril cantados por Zeca, Sérgio, Zé Mário Branco, lidos e escritos por Ary dos Santos, Manuel Alegre... Hoje em dia não se dá grande valor à Liberdade, não foi preciso conquistá-la, não foi preciso morrer gente para a ter. Os jovens de hoje já nascem com ela, ou pensam que a têm. Prezo a Liberdade, prezo esta sensação única de poder escrever o que penso, de dizer o que sinto, de enfrentar o poder nas urnas, nas manifestações. Churchill disse que a Democracia é o pior sistema, para além de todos os outros sistemas. Tinha razão, mas é o mais perfeito dos imperfeitos, é o que permite eu dizer que "voto" e outra pessoa dizer que "não voto porque não me apetece"... Para sempre o 25 de Abril deverá perpetuar na nossa memória, não pode ser só parte do curriculum escolar, deve ser todos os dias relembrado e também o porquê de ter acontecido, o que vem de trás, deve falar-se de Peniche, deve falar-se do Tarrafal, deve falar-se da António Maria Cardoso, deve falar-se da Censura, da perseguição política, para que se entenda porque é que se deu o 25 de Abril. Os jovens têm de o saber. 25 de ABRIL SEMPRE! FASCISMO NUNCA MAIS!

(Ps - correcção ao Mr. White: foi há 35 anos o 25 de Abril e não há 34 como por lapso se escreve.)
SSF a 27 de Abril de 2009 às 19:00

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
18

19
22
25

26
28


Posto de Escuta
pesquisar neste blog
 
Conta-gotas
Website counter
blogs SAPO